Cuide do seu Dinheiro

Dicas para você gerenciar melhor as suas finanças e fazer o seu rendimento crescer.

O dinheiro está difícil de ganhar

Fonte: Revista Claudia, Carreira e dinheiro

O dinheiro está difícil de ganhar

Mas não podemos mais deixar o lado bom da vida para amanhã. A busca de equilíbrio entre o profissional e o pessoal, o dilema é quase uma obsessão.

O ser humano gosta muito de ganhar dinheiro e dos frutos que vêm da moeda. O economista e escritor Eduardo Giannetti, que também participou do fórum, afirma que o dinheiro ajuda a buscar espaço na mente e no coração dos que nos cercam. "O desejo do ser humano é conquistar a atenção, o respeito e a afeição do outro." O problema, aponta Giannetti, é que, à medida que a sociedade e as famílias prosperam, o dinheiro perde a dimensão das necessidades básicas e vira um instrumento de valorização pessoal. "Homens e mulheres estão igualmente envolvidos na mesma armadilha, obcecados pelo crescimento da renda, participando da corrida armamentista do consumo", diz ele. Precisamos trabalhar cada vez mais também porque gastamos com o supérfluo e em excesso.
O APEGO E O HOLÍSTICO
No mais inovador dos cenários, o dinheiro ganha caráter holístico: é indivisível, não exerce função única, carrega possibilidades de transformação, conforto material, psicológico e - por que não? - espiritual. É dessa forma que alguns defensores da economia verde imaginam nossa relação, em breve, com o consumo e o dinheiro. "Se ele apenas paga contas, compra sapatos ou se acumula, fica esvaziado de sentido", explica Verônica Marques, gerente de comunicação, desenvolvimento e mobilização de recursos do Fundo Elas, no Rio de Janeiro. "Ele abarca outros valores quando vem casado com direitos e provoca mudanças de longa duração."
No mundo dos negócios imperam as metas, o desafio de dobrá-las em um ano, quadruplicar no seguinte. O elástico se esticando afeta tanto homens como mulheres, segundo Cesar de Carvalho Bullara, diretor da área de gestão de pessoas e professor do ISE Business School, em São Paulo. "Por causa da maternidade, elas acabam sofrendo em doses maiores que eles", afirma.

BALANÇA CRUEL
Bullara lembra que as pessoas podem e devem ter como objetivo de vida crescer na carreira, galgar postos e ser bem remuneradas. Mas isso não é o mesmo que ter um projeto de vida. "Quando falamos em projeto, consideramos três dimensões: pessoal, familiar e profissional. Na dinâmica estabelecida nas corporações, é difícil manter a equanimidade. Em geral, uma delas sobressai e prejudica as outras." Em parte, porque as empresas, como ressaltou Eneida, não evoluíram.
O ISE coordenou no Brasil um estudo que mediu o nível de conciliação entre emprego e família, numa parceria com o International Center for Work and Family (ICWF), sediado na Espanha. A mesma pesquisa foi realizada em outras 21 nações - entre elas Canadá, Bélgica, Itália, Portugal, Argentina, Peru, Chile e Filipinas. O resultado, ainda inédito, é apresentado em quatro patamares. A graduação vai de desfavorável (quando o ambiente dificulta a harmonização) a enriquecedor, que permite aos funcionários trabalhar bem, cuidar da família, ter tempo para o lazer e o autoconhecimento. No quadrante mais alto, o enriquecedor, nosso país aparece com 8%, enquanto a média geral é 14%. As práticas invasivas - como ligar para o funcionário nos fins de semana e nas férias e disputar o tempo que ele dedicaria à convivência doméstica e aos assuntos privados - colocaram o Brasil com 55% no quadro desfavorável, ante a média de 42%.

Atendimento ao cliente

capitais e regiões metropolitanas

4003 1415

demais regiões

0800 880 1900

WhatsApp (51) 99528.0140

Ligue agora e solicite já

para contratação de empréstimo, seguros ou renegociação de dívidas

0800 880 0515

Encontre uma loja

Selecione o seu Estado

© SABEMI Intermediadora de Negócios Ltda – Uma empresa do Grupo SABEMI . Por Aldeia

SABEMI alerta: Prezado Cliente, estimando pela sua segurança, alertamos que a SABEMI não envia por e-mail boletos de quitação de débitos e saldos devedores com extensão pública como: @outlook, @hotmail, @gmail, etc. Importante advertir que a SABEMI não se responsabiliza, bem como não reconhece pagamentos efetuados em conta corrente de outros beneficiários, supostamente para fins de quitação de dívidas desta Companhia. Desconfie de qualquer prática incomum.

Em caso de dúvidas, ligue para o nosso SAC: 4003 1415 (capitais e regiões metropolitanas) ou 0800 880 1900 (demais regiões).